terça-feira, 27 de abril de 2010

Pacaembu, o mais querido

Já tive o privilégio de visitar grandes estádios da Europa, que têm importância e relevância na história do futebol mundial. Em cada um destes templos futebolísticos que entro sinto uma emoção diferente, mas sempre uma imensa alegria, quase infantil em estar em um lugar como esses, que via apenas pela tv. Mesmo assim, há um que não troco por nada, e não troco por tudo que representa para mim. Hoje este meu mais querido aniversaria, faz 70 anos. Estádio Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu. Lugar de energia incomparável, inexplicável, de áurea sagrada. O já "idoso" estádio tem importante papel na história do futebol brasileiro e mundial, já viu em seus gramados jogos de Copa do Mundo, grandes clássicos nacionais, já viu muito choro de alegria, de tristeza, já foi agredido por torcedores enfurecidos. E ele continua ali, lindo e imponente na Praça Charles Muller, sendo parte da arquitetura e história da Paulicéia Desvairada. Abriga não só o estádio de futebol, mas também um grande complexo esportivo e o belo Museu do Futebol, uma verdadeira homenagem ao esporte e a seus amantes.

Esse estádio que descobri por inteiro depois de grande, no qual entrei pela primeira vez em um jogo ruim entre Corinthians x Botafogo pelo Campeonato Brasileiro. Porém, nem o mau futebol daquela partida e o presságio do pior naquele brasileirão tiraram o brilho de entrar pela primeira vez naquele local. Emocionei-me, foi de arrepiar sentir a energia que o Pacaembu guarda em si. Lembro como se fosse hoje daquele momento em que, levada pelo meu irmão descobri meu amor pelo estádio. Que depois veio a ser o personagem e cenário, tudo ao mesmo tempo, do meu Trabalho de Conclusão de Curso, o trabalho mais bonito e mais querido que já fiz na vida. Conhecer cada cantinho, cada história, cada funcionário que faz do Pacaembu grande até hoje. Conheci ali pessoas queridas, de histórias diferentes e emocionantes, de histórias de vida que se confundem e que são contadas juntamente com a história do estádio. Ri e chorei com essa gente, fui acolhida pela "família Pacaembu" como eles se denominam. Ah, saudades dos dias de jogo no Paulo Machado de Carvalho, saudades de pular nas arquibancadas amarelas, de estar na praça Charles Muller vendo a torcida chegar, o estádio encher, a alegria do domingo. Saudade de estar no meio da loucura do pequeno espaço de imprensa, de estar em casa. É assim que me sinto sempre que vou ao Pacaembu, como quem chega em casa... e encontra pessoas queridas, um ambiente seu, intimamente acolhedor em que se poder ser e viver plenamente o que se é, de corpo, alma e profissão.

Parabéns ao Pacaembu, obrigada a quem cuida deste querido vovô do futebol brasileiro, que mesmo com a idade continua charmoso e imponente. E será sempre o mais querido. Pelo menos no meu coração.

Imagem do Acervo da Secretaria de Esportes de São Paulo - década de 40, um dia de jogo no Pacaembu.

3 comentários:

  1. Gláucia, a primeira vez em que fui ao Pacaembu, assisti ao jogo Palmeiras 1, São Paulo 0, gol de Carlos Alberto Borges. Era uma promoção que havia na época, de se levar pilhas amarelinhas (Ray-O-Vac, se não me engano) como valor simbólico do ingresso. Após esse jogo vieram outros e a sensação sempre foi a mesma: de estar no estádio mais acolhedor da Cidade de S. Paulo. Pena que hoje em dia já não exista mais a famosa concha acústica, substituída pelo tobogã. Se pudesse entrar numa máquina do tempo, voltaria ao dia do jogo em que o Corínthians venceu o Santos de Pelé, depois de anos de tabu, com gols de Flávio e Paulo Borges.
    Grande abraço...

    ResponderExcluir
  2. E eu que ouvia todas essas histórias nos café intermináveis depois das suas visitas ao Pacaembu. Pena ele não poder ter vc lá dentro hj!!!

    Beijos curíntia!
    É o que temo pra hoje!
    ;)

    ResponderExcluir
  3. Glaucia, voce deve saber.. sabia que o primeiro gol feito no Pacaembu foi do Coritiba, FootBall Club, no jogo inaugural, feito pelo ponta direita Zequinha, que alias, não era jogador do Coxa, era jogador do Ferroviário,(Colorado, Paraná Clube)que foi emprestado somente para esse jogo. Ainda bem que o Palmeira ganhou.

    ResponderExcluir