segunda-feira, 15 de março de 2010

De onde vem o calor humano


Dos seis meses e meio aqui, cinco e meio foram de frio. Sim, mais de cinco meses de frio. Aprendi que as estações do ano são quatro, divididas, aproximadamente, em três meses cada ao longo dos 12 meses. Teoria completamente desfeita na prática daqui. No começo tudo é novidade, o frio até então desconhecido, úmido e que dói nos ossos, os casascos (principalmente os de marca que no Brasil custam 3 vezes mais e aqui são vendidos a preço de banana), torce para nevar, temperaturas negativas. Depois acostuma-se com tudo, tudo é normal e cotidiano, rotineiro, portanto, cansativo. Justamente por isso, para que não nos cansemos de sempre a mesma paisagem, o mesmo clima, os mesmo ares é que as quatro estações existem, não é?! Deveria ser. Quem bem me conhece deve estar rindo agora e pensando, "mas ela sempre reclamou de passar calor!'. Exato, é mesmo, mais uma vez defendo a variação da temperatura, igualmente distribuídas ao longo do ano.

Mas o fato é que, nestes meses de frio e mais frio, muita chuva e muito vento fui desenvolvendo pensamentos e "teorias". Chega a ser depressivo viver assim, com frio doído, chuva ininterrupta durante dias, o céu sempre negro e com pouca claridade. Quem se anima a sair cedo da cama assim? Só de colocar a testa pra fora das cobertas já não se quer levantar. É feito por extrema necessidade, aula ou trabalho. Se é preciso sair da toca, lá se vão em seu corpo milhares de casacos, blusas, meias, calças, botas, luvas, gorro... e mesmo assim o corpo não aquece. E ao longo do dia o organismo sofre constantes choques térmicos. Entra em local fechado com aquecimento, tira-se um pouco da roupa. Sai na rua, recoloca tudo, e recebe de frente um vento cortante e frio. Agora dimensione isso tudo a noite ou de madrugada quando normalmente as temperaturas são mais amenas. Sim, gentileza minha esse "amenas". Quem se anima a sair com os amigos, a ir ao bar? Eu defendo que frio em casa, frio em qualquer lugar com os amigos. Mas não é a filosofia mais adotada, todo mundo fica em casa. Não há, portanto, modo de socializar fora dos ambientes burocráticos de trabalho. Inverno chega a ser uma estação solitária, onde todos se trancam em suas casas e lá ficam, esperando a próxima estação chegar. Lembrou-se de algo? Eu me lembro dos ursos, sábios animais que vivem em locais de baixa temperatura. Por isso eles hibernam. Dormem e comem, não saem do abrigo por nada. É o mesmo ânimo que têm os seres humanos no frio.

Pronto, cheguei ao ponto alto da minha filosofia. As condições climáticas e de temperatura influenciam diretamente no modo de ser das sociedades. Quanto mais frio o país, a região, mais fechadas as pessoas são. Claro, não se socializam tanto, são mais reclusos, o humor é diferente. Chega a ser uma questão de costumes, hábitos e cultura até. Sim, tudo isso influenciado pelo meio, ou não sofremos influências externas em nosso comportamento, em nossa formação etc? Sem dúvidas que sim! Nos dias em que faz sol, mesmo com frio, quando acordo e vejo o dia azul pela janela sinto-me mais disposta, mais feliz, com energias e expectativas melhores para a nova jornada. Ah, explicado! Por isso no Brasil ri-se de tudo, ri-se da vida. Temos sol (que aquece mesmo no inverno) e calor constantemente. Como não se dirigir ao happy-hour mais próximo com os amigos após o expediente? Como não sair para caminhar, para simplesmente passear numa tarde quente e de sol? Como não fazer aquele churrasco no final de semana, no domingo de calor escaldante? E com isso tudo muita alegria, falatório, gente, muita gente junta. Acho que em países sul-americanos e latinos também é assim, o calor refletido na atitude das pessoas, os ritmos "calientes" dançados e tocados. Depois disso tudo, entendi a origem e o real significado da palavra "calor humano", que temos de sobra, devido ao calor desumano. Sinto saudades dos dois.

ps: Estes dias estava conversando na internet com meu irmão sobre isso e ele lembrou-se de um bom texto, sucesso na rede, em que uma brasileira descreve sensações parecidas com essas vivendo no Canadá, um pouco mais exageradas e debochadas. Antes de mim, ele fez um post com esta história na íntegra. Confira aqui.

5 comentários:

  1. :))) Muito bom teu texto e o do Canadá é de morrer de rir!
    Eu e Leo, no dia 25 de Dezembro de 2005 viajamos de carro do Porto à Barcelona, apanhamos neve de verdade, grossa, pela 1ª vez. Foi a maior farra, descemos na auto-estrada pra tirar foto do carro todo branquinho e tal:) Depois disso, o resto da viagem foi uma nevasca braba, quase ficamos presos na estrada, tivemos que seguir o carro limpa-neve para o nosso carro não derrapar!! kkkkkkkkkkkkkkkkkk Bem, nunca rezei tanto na minha vida. Quando chegamos em Bilbao eu odiava nevasca kkkkkkkk e ainda choveu granizo!
    Bem, nem 8, nem 80. Se as estações fossem mesmo os 4 meses seria perfeito, mas nós mesmos estamos acabando com isso infelizmente!
    Boa sorte e aproveita que já já tás de volta as coisas mais terríveis e adoráveis da nossa terrinha!
    besitos

    ResponderExcluir
  2. o que será pior: a sua friaca aí ou o inferno de calor que estamos passando aqui? Será que esse deus num tem um meio termo não? Hahaha!

    ResponderExcluir
  3. Deve ter uma ilhota no meio do atlântico com um clima agradável! Vamos todos nos mudar para lá.

    Nunca me deparei com a temida/feliz "merda branca

    ResponderExcluir
  4. Essa história de frio, é fato verídico. Moro em Curitiba desde que nasci, e sempre tivemos inverno rigoroso, e fama de povo calado, fechado, certo.., pois a nossa colonização se baseia em poloneses, ucranianos, tchecos, italianos, todos provenientes de países de muito frio. Mas tenha certeza, que do mesmo modo que o frio afasta ele aproxima pessoas, lareira, vinho, cobertor, filmes em VHS etc. rs..

    ResponderExcluir
  5. Olá, Gláucia....
    Adorei o seu texto. É interessante a forma como o descobri: eu estava pesquisando algo sobre "calor humano" para um texto que estou desenvolvendo e encontrei vc e adorei o que encontrei, apesar de estar procurando uma tese científica sobre a questão. Se puder me ajudar eu agradecerei... Bem o que procuro é algo sobre o fato do corpo humano possuir a capacidade biológica para produzir calor para aquecer até mais de duas pessoas, por que será que só o faz quando em união com outro corpo e nunca só?

    Se encontrar algo envie para o meu e-mail (raimundoborgescosta@hotmail); se for do seu interesse visite o meu blog: borgesbyborges.blogspot.com.br

    Um abraço!!!! E parabéns pelo texto!!!

    ResponderExcluir