quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

O dono do mundo


Há exatos dez anos o mundo se vestia de preto e branco. O Corinthians sagrava-se campeão mundial após vencer o Vasco (RJ) nos pênaltis. O título, ao longo destes dez anos ,foi contestado por adversários e corneteiros de plantão, talvez se outro clube o tivesse conquistado ninguém falaria nada, aceitaria-se como a realidade. Mas Corinthians é polêmico até quando vence e mais, gera uma insuportável inveja por parte dos torcedores adversários que nenhum outro faz. Porém, o mundial foi o primeiro cuja taça traz a inscrição Fifa. Órgão máximo do futebol mundial, é ela quem deve reconhecer campeonatos oficiais pelo planeta não é? Assim como a Fia na Fórmula 1, a ATP no tênis e assim vai. Tudo isso para dizer que aquele título foi genuíno, foi o primeiro e foi corinthiano.

Uma década já... tiro agora dez anos da minha idade e me deparo com uma menina, uma adolescente. Com as imagens e lembranças frescas daquela noite de decisão na cabeça. Vi em casa, com meu pai e irmão. Lembro do choro, do coração apertado ao ver o pênalti perdido por Marcelinho, do desabafo ao ver Edmundo mandar pra lua a bola- foi São Jorge quem defendeu aquela cobrança - e a taça ficar conosco. Chorava como sempre choro nestas ocasiões, como uma criança. E que time tinha o Corinthians. Acho que o maior e melhor que eu vi jogar. Do meio para frente era imbatível, jogava por música, era o futebol arte que tanto falta hoje e que enche os olhos, eram toques de calcanhar, era técnica e raça juntas. Ríncon e Vampeta eram monstruosos, Marcelinho pela direita, Ricardinho pela esquerda armavam o time com genialidade e tinha a frente o capetinha (não sem razão, infernizava zagas adversárias) Edílson e o goleador Luizão. A defesa também era segura, Dida no gol, Fábio Luciano e Adilson na zaga, pelos lados Kléber, despontando com grande futebol pela esquerda e Índio, que nunca deixou o timão na mão, embora sempre coadjuvante, pela direita. Talvez para esse time ser o dos sonhos, Gamarra ainda devesse vestir a quatro. O maior zagueiro que vi jorgar no Parque São Jorge. O banco ainda contava com grandes nomes como do volante Edu, menino prata da casa, grande craque e que está novamente no timão e o eterno gavião Dinei.

Mas esse time foi histórico! Vinha embalado, com algumas poucas modificações, campeão Brasileiro de 98, Paulista e Brasileiro de 99, o Mundial foi a coroação desse time, dessa época, foi, de fato, o "Todo Poderoso Timão". Falem o que quiser, contestem, morram de inveja, pois o Corinthians tem o mundo há dez anos. Como bem diz uma composição da Gaviões "É nóis na Fifa, pra delírio da fiel!". E no mundo!

O vídeo que segue tem como trilha essa referida composição, que tão bem embala a conquista alvinegra: http://www.youtube.com/watch?v=x-OVEc9-Wcc&feature=related

Nenhum comentário:

Postar um comentário